A Guerra dos Mundos (1953)

A primeira adaptação da história que H. G. Wells escreveu em 1898 é, hoje, um clássico da sétima arte, tendo ajudado a popularizar o género de ficção-cientifica na década de 1950. Sustentado pelos espectaculares efeitos especiais (à época), A Guerra dos Mundos foi o primeiro filme a descrever uma invasão extraterrestre em massa e abriu caminho para a “invasão” de filmes que se seguiram.

Os direitos da história foram comprados em 1925 por Cecil B. DeMille, realizador da Paramount Pictures, e a sua adaptação ao grande ecrã foi longa e tortuosa. Vários foram os realizadores que estiveram ligados ao projecto: o próprio DeMille; Alfred Hitchcock, que embora não tendo qualquer ligação à Paramount tentou convencer Wells a deixá-lo realizar o filme na década de 1930; Orson Welles, aquem, após a sua famosa peça radiofónica também com base na história de Wells, lhe foi proposto que o seu primeiro projecto cinematográfico fosse A Guerra dos Mundos. O facto de Wells ter vendido perpetuamente os direitos da história à Paramount também ajudou a complicar a produção, mas mesmo assim, ao longo dos anos foram produzidos cinco argumentos e até o mestre da animação e efeitos especiais Ray Harryhausen filmou uma pequena sequência para aguçar o interesse na produção do filme, mas sem efeito.

Em 1951, o produtor George Pal descobriu, nos arquivos da Paramount, os cinco argumentos de A Guerra dos Mundos e interessou-se pelo projecto. Pal era amigo de Harryhausen e tinha visto a sequência que este filmara e houve a possibilidade de os dois colaborarem no projecto. No entanto, Pal decidiu avançar para um argumento novo e os dois acabaram por não trabalharem juntos. A escrita do novo argumento foi entregue a Barry Lyndon que, embora não tendo experiência no campo da ficção-cientifica, era um admirador de Wells e respeitaria o espírito da história original. Em conjunto com o realizador Byron Haskin, Lyndon e Pal começaram a escrever o argumento e a produzir o filme que, acima de tudo, deveria representar o mais realisticamente a invasão de extraterrestres.

Devido aos elevados custos, os produtores decidiram alterar aspectos importantes da história e, assim, o cenário passou da Londres vitoriana para a Califórnia dos anos 1950, as naves dos extraterrestres foram amputadas das três pernas e o herói “teve” de se apaixonar por uma jovem que o acompanha ao longo do filme. Os primeiros esboços das máquinas mantinham as três pernas, mas os movimentos não pareciam fluidos e os custos eram proibitivos. Foi, então, necessário uma nova abordagem e Pal recorreu ao director artístico Al Nozaki, com quem trabalhara no seu anterior projecto, Quando os Mundos Chocam. O resultado final é revelador do talento de Nozaki, que apostou num design em formas orgânicas e metálicas, que muito ajudou a aumentar a histeria social sobre discos voadores. Para este sucesso, também muito contribuíram os efeitos sonoros à base de sons de guitarra eléctrica que, ainda hoje, são utilizados.

Os restantes elementos, embora banais, não prejudicam em nada o filme, que teve um orçamento final de 2 milhões de dólares, 2/3 dos quais gastos nos efeitos especiais. O resultado final agradou de tal forma à fundação que gere os bens de H. G. Wells, que ofereceu a Pal a oportunidade de este adaptar outra obra do autor; Pal escolheu A Máquina do Tempo.

A Guerra dos Mundos fica para a história do cinema como um dos filmes de ficção-cientifica que ajudaram a popularizar o género, mas o filme é mais do que isso: é um retrato da época, já que soube reflectir a ansiedade que se vivia nos Estados Unidos do pós-guerra e a vulnerabilidade dos novos tempos que se adivinhavam (Guerra Fria).

Como nota final, referência ao facto de Pal ter tentado reavivar a história numa série de televisão, em 1975, que em comum com o filme apenas tinha o título e algumas cenas deste. A série não passou de um projecto e as imagens que existem mostram que não se perdeu grande coisa.


The War of the Worlds Paramount Pictures, Estados Unidos, 1953, 85 min., ficção-cientifica Realizador: Byron Haskin. Argumento: Barré Lyndon, baseado no livro com o mesmo nome de H.G.Wells. Actores: Gene Barry, Ann Robinson, Les Tremayne, Robert Cornthwaite, Sandro Giglio, Lewis Martin

A terra é invadida por extraterrestres e nada parece conseguir derrota-los.